OBRIGADA POR SEGUIREM O MEU BLOG

segunda-feira, setembro 17, 2012

ADMEP – ASSEMBLEIA DE DEUS – MINISTÉRIO ESTUDANDO A PALAVRA


EBD - ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CRISTÃ

A VERDADEIRA MOTIVAÇÃO DO CRENTE

23 de Setembro de 2012

TEXTO ÁUREO

“Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai, que vê o que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará.”. - [Mateus 6.6]

VERDADE PRÁTICA

 A verdadeira motivação do crente não está na fama ou no poder, mas em viver para glorificar a Cristo.

Leitura Bíblica em Classe:
Marcos 1. 35 – 45


Objetivos da Lição:

ü  Compreender qual deve ser a verdadeira motivação do crente.
ü  Conscientizar-se de que não fomos chamados para a fama.  
ü  Saber que o anonimato não é sinônimo de derrota.  

INTRODUÇÃO - O que significa motivação? Quais as intenções que o salvo não deve ter em seu coração ao realizar o serviço para Deus e quais as que ele deve ter? Nesta lição, veremos estas questões que permeiam a vida cristã. Destacaremos ainda o grande evento do Tribunal de Cristo onde todos os salvos serão julgados pelo serviço que desempenharam em prol do Reino de Deus aqui na terra e da recompensa que receberão aqueles que procederam com amor e fidelidade.

I.   O QUE SIGNIFICA MOTIVAÇÃO
    O dicionário diz que significa: “ato ou efeito de motivar; exposição de motivos ou causas; conjunto de fatores psicológicos de ordem fisiológica, intelectual ou afetiva, os quais agem entre si e determinam a conduta de um indivíduo”. Já a palavra motivo do latim “motivu, 'que move' quer dizer: “fim”, “intuito”. Fica explícito que a palavra motivação alude à intenção, propósito ou objetivo com que fazemos as coisas. No contexto da nossa lição, diz respeito às intenções com que executamos a obra do Senhor.
     Podemos resumir tudo isso em: desejo, força, interesse, necessidade ou outra característica interna a cada pessoa que a leva a buscar a sua satisfação ou o seu objetivo.   E, onde tem estado a nossa satisfação, o nosso desejo? 

II.     COMO NÃO DEVEMOS FAZER A OBRA DE DEUS

1.  Com má vontade. - A expressão mal do grego “kakos” quer dizer: “tudo o que é mau em caráter, vil, desprezível”. Portanto, não podemos fazer a obra de Deus com má vontade. O apóstolo Paulo tinha esta consciência por isso disse: “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho! E por isso, se o faço de boa mente, terei prêmio; mas, se de má vontade, apenas uma dispensação me é confiada” (II Co 9.16,17).

2.    Com orgulho. O Aurélio define a palavra “orgulho” como “conceito elevado ou exagerado de si próprio; amor próprio demasiado; soberba”. Do grego “alazonia” ou “alazoneia” que é traduzido em (I Jo 2.16)  por “soberba”. Este foi o sentimento que levou o querubim ungido a ruína (Is 14.13-19; Ez 28.13-19). Aqueles que desejam servir a Deus não podem fazê-lo com orgulho, pois a Bíblia nos exorta a termos cuidado com este sentimento (I Tm 3.6; Pv 16.18,19; Tg 4.6). Vejamos dois exemplos bíblicos de pessoas que agiram com orgulho e foram prejudicadas:
·   O Rei Nabucodonosor. Apesar de ter sido avisado divinamente por um sonho que foi interpretado pelo profeta  Daniel, que não deveria agir impiamente e se ensoberbecer (Dn 4.4-27). Depois de passado um ano, este rei agiu orgulhosamente e sofreu as consequências por isso (Dn 4.28-33).
 ·    O Rei UziasDeus o fez prosperar enquanto este o buscou (II Cr 26.4,5), porém seu coração se exaltou e ele intentou queimar incenso, função esta que cabia apenas ao sacerdote (II Cr 26.16), porém mesmo sob aviso, o rei agiu loucamente e recebeu a punição pelo seu pecado (II Cr 26.17-21).

3.   Com o propósito de ser visto. Nosso Senhor Jesus Cristo, preveniu seus seguidores de não procederem como os hipócritas religiosos que entregavam suas esmolas e seus sacrifícios com a finalidade de serem vistos pelos homens e não por Deus, isto porque desejavam receber louvor (Mt 6.2,5; 23.5). Este foi o terrível erro de Ananias e Safira, pois eles haviam observado como Barnabé ficou bem visto pela congregação após doar de coração o valor da sua fazenda para os apóstolos administrarem  (At 4.36,37), de igual modo venderam sua propriedade, no entanto, combinaram entre si mentir quanto ao valor da venda, retendo assim parte do dinheiro, alegando ser o dinheiro todo (At 5.2), o que resultou em sentença de morte (At 5.4,5; 5.9,10).

III.   COMO DEVEMOS FAZER A OBRA DE DEUS
      Vimos acima alguns motivos que não devem permear o coração de quem serve a Deus, todavia, veremos   agora quais virtudes devem nos mover ou impulsionar ao serviço cristão. Vejamos algumas:
1)  Com amor. O apóstolo Paulo diz que  amor é a principal das três virtudes cristãs (I Co 13.13), ele é também o fruto do Espírito no cristão (Gl 5.22). Portanto, tudo o que fazemos deve ter esta característica do fruto como motivação, senão, qualquer coisa que fazemos não terá valor: “... e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria (I Co 13.3b). Portanto, o apóstolo ainda diz: “Todas as vossas coisas sejam feitas com amor  (I Co 16.14).

2)  Com humildade. O Aurélio diz que humildade é a virtude que nos dá o sentimento da nossa fraqueza, limitação. Portanto, o servo de Deus que realiza a sua obra com êxito, não deve se gloriar jamais, pois reconhece as suas militações; e que os bons  resultados de tudo quanto faz ou executa para Deus deve glorificá-lo, pois o seu prazer consiste em reconhecer a suficiência do poder do Espírito em seu trabalho e que deve proceder humildemente como ensina as Escrituras (Pv 15.33; 18.12; 22.4; Fp 2.3; Cl 3.12; I Pe 5.5).    

3)   Como ao Senhor. A Bíblia nos ensina que devemos fazer as coisas prioritariamente para Deus (Ef 6.7; Cl 3.23), isto não significa dizer que fazendo para os homens, não estejamos fazendo para Deus (II Co 8.5). A Bíblia deixa claro que servindo aos homens de Deus com sinceridade de coração e não para sermos vistos, estamos fazendo para Ele (Fp 4.18). Eis alguns exemplos:
·      Samuel servia ao Senhor e a Eli: E o jovem Samuel servia ao SENHOR perante Eli; e a palavra do SENHOR era de muita valia naqueles dias; não havia visão manifesta”.

·     Eliseu servia a Elias: “Então respondeu um dos servos do rei de Israel, dizendo: Aqui está Eliseu, filho de Safate, que derramava água sobre as mãos de Elias  (II Re 3.11b).

·       Priscila e Áquila serviram ao apóstolo Paulo: “Saudai a Priscila e a Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus     (Rm 16.3).

IV.  TRIBUNAL DE CRISTO: O JULGAMENTO DAS NOSSAS OBRA
    Em (Rm 14.10), o apóstolo Paulo usa o termo grego “bema” que quer dizer “degrau”, que originalmente indica uma plataforma elevada, usada pelos juízes em seus julgamentos formais. Isto ilustra o tipo de julgamento a que serão submetidos os crentes salvos, que biblicamente é denominado de Tribunal de Cristo (II Co 5.10). Neste tribunal, os salvos serão avaliados cada um segundo as suas obras. A expressão “obra” do grego “ergon” significa: “trabalho, ação, ato”. Logo, é extremamente importante ressaltar que apesar do cristão não ser salvo pelas obras (Ef 2.8,9), ele é salvo para as obras (Ef 2.10). Ali os remidos receberão da parte do Senhor o louvor ou a censura que merecer. Vejamos algumas características desse julgamento:

1)  Esse julgamento será meticuloso. Neste julgamento cada um receberá “segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal” (II Co 5.10). A expressão “bem” do grego “agaton”, quer dizer algo “espiritual e moralmente bom ou útil aos olhos de Deus”, já o termo “mal” do grego “phaulos” significa: “sem valor, iníquo;  inclusive egoísmo, inveja e preguiça”. Nada ficará oculto (Rm 2.16). Tudo será julgado, especialmente os nossos motivos (I Co 4.5). O Aurélio diz que a expressão “meticuloso” significa: “que se preocupa com detalhes; minucioso, esmiuçador”. Portanto, o Senhor Jesus Cristo, julgará a obra de cada crente pela motivação com a qual foi feita, disto nos assegura o apóstolo Paulo: ”... mas veja cada um como edifica sobre ele” (I Co 3.10). Confira ainda: (I Co 13.3; Cl 3.23,24;  Hb 6.10). 

2)  Esse julgamento será reveladorA palavra “revelar” do grego “apokalypsis” significa “revelar, tirar o véu, descobrir”. Esta expressão implica o levantar de uma cortina para que todos possam ver o que está sendo mostrado. Segundo o apóstolo Paulo, será deste modo à avaliação da obra de cada salvo no Tribunal de Cristo: “A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um” (I Co 3.13). A expressão “o fogo provará” diz respeito ao crivo que as obras passarão sob o olhar de Cristo que é como chamas de fogo  (Ap 1.14), que fala da sua onisciência, pois Ele tudo vê, conhece, perscruta e que diante dele todas as coisas estão nuas e patentes (Hb 4.13).
2.1 Obras sem valor. O apóstolo diz que as obras feitas com intenções erradas podem ser comparadas a “... madeira, feno, palha (I Co 3.12). Assim como estes materiais ao serem colocados no fogo são destruídos, de igual modo, as más intenções por trás das obras tornarão elas inúteis, todavia, mesmo o crente sendo reprovado pelo seu trabalho, não deixará de ser salvo.  “Se a obra de alguém se queimar sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo” (I Co 3.15). 
2.2 Obras com valor. O trabalho desenvolvido pelo salvo com motivos nobres será assemelhado a  ... ouro, prata, pedras preciosas...” (I Co 3.12). Estes elementos quando postos ao fogo, não se destroem, porque são duradouros, por isso o apóstolo Paulo compara com as boas obras praticadas pelos salvos, que quanto analisadas aos olhos de Cristo não se destruirão, antes permanecerão: “Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão” (I Co 3.14). 
3)   Esse julgamento será recompensador. Essa recompensa refere-se ao galardão, expressão do grego “misthos” que significa: “salário, arrendamento”. Somente receberão aqueles que trabalharam com amor no serviço do Senhor em prol do Reino de Deus (Ap 22.12). Não se sabe ao certo em que eles consistem, no entanto, temos a certeza de que ultrapassará a compreensão humana (I Co 2.9).
CONCLUSÃO - Vimos nesta lição, como é importante antes de executarmos alguma obra para Deus, avaliarmos as reais intenções que nos impulsionam a fazê-la. Visto que, ainda que a atitude seja boa, se a motivação for ruim, não receberemos a recompensa. Todavia, se agirmos fielmente e impulsionados pelo amor, nas obras que Deus preparou de antemão para que andássemos nelas, ouviremos o louvor que vem de Deus (I Co 4.5). 

REFERÊNCIAS
·         STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal.  CPAD.
·         VINE, W.E et al. Dicionário Vine. CPAD.
·         HORTON, Stanley. Teologia Sistemática. CPAD.
·         COELHO, Alexandre; DANIEL, Silas. Vencendo as aflições da vida. CPAD.
·         ANDRADE,Claudionor de.Dicionário TeológicoCPAD.
·         CHAMPLIN, R.N. O Novo Testamento Interpretado versículo por Versículo. HAGNOS.


                                                                            Lição Preparada por, Maria Valda.


LEMA:

 “Dá instrução ao SÁBIO, e ele se fará mais SÁBIO; ensina ao JUSTO, e ele crescerá em ENTENDIMENTO”. (Provérbios 9. 9).

Não Falta a Próxima Aula!  - Sua falta entristece o nosso coração!


DEC - Departamento de Educação Cristã
Prof.ª Maria Valda.

Gestora: Pastora, Maria Valda.
ADMEP



                                              PORTAL ESCOLA DOMINICAL
TERCEIRO TRIMESTRE DE 2012
VENCENDO AS AFLIÇÕES DA VIDA - Muitas são as aflições do justo mas o Senhor o livra de todas
COMENTARISTA: ELIEZER DE LIRA E SILVA
COMENTÁRIOS - SUPERINTENDÊNCIA DAS EBD"S DA ASSEMBLEIA DE DEUS EM RECIFE/PE

Nenhum comentário:

Postar um comentário