OBRIGADA POR SEGUIREM O MEU BLOG

domingo, fevereiro 10, 2013

BREVES LIÇÕES JUNTO AO TANQUE DE BETESDA



 

A vida é semelhante à Betesda.

                                     

Ora,  havia ali, junto à Porta das ovelhas, um tanque, chamado em hebraico Betesda, o qual tem cinco alpendres Jo 5:2. 

Ler todo o capítulo sobre Betesda Aqui


O antigo tanque de Betesda existiu na parte Norte de Jerusalém, próximo ao mercado das ovelhas. Escavações realizadas no ano de 1888 revelaram que existiam colunas rodeando o local e em uma delas  a pintura – posterior a Cristo - de um anjo agitando as águas.  O que acontecia no tanque,  era um borbulhar temporário das águas, e cada vez que isso acontecia, as pessoas se jogavam nas águas,  para serem curadas. O nome Betesda pode ser traduzido como “lugar de derramamento”, “casa da graça” ou ainda “casa de misericórdia”.

Betesda  havia se transformado em lugar de peregrinação, centenas de pessoas se aglomeravam ao seu  redor  na espera do mover das águas e da realização de milagres. Um lugar assim parece um sonho, uma lenda, é tão fantástico que  algumas traduções antiquíssimas  do Evangelho de João omitem a parte que fala “um  anjo descia em certo tempo e agitava as águas”. Penso que esse fato foi dado a João como revelação, as pessoas, porém que frequentavam o local em busca de milagres, não sabia que os anjos agitavam as águas, sabiam sim que havia algo sobrenatural naquelas águas.

Se em sua cidade existisse um lugar assim, você iria? Penso que muitas razões conduziriam pessoas a um lugar como esse: curiosidade, esperança, fé, louvor, ganância (mercadores), misericórdia (para ajudar aos doentes), entre outros. É estranho que em um lugar tão sagrado, um homem paralítico, necessitado da ajuda para descer às águas, tenha passado despercebido: “ “Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me coloque no tanque” Jo 5:7. Não obstante eu ter citado a misericórdia como um dos motivos de frequentar-se o local, ela parecia está bem distante dali.



Quem Ama Serve

O que podemos aprender com o abandono do paralitico por parte dos peregrinos em Betesda?  Buscar a Deus é bem diferente de buscar milagres. Um coração amoroso encontraria naquele e em outros incapazes de andar, a oportunidade para servir. Servir é marca dos filhos de Deus. É claro que aquele paralítico clamou por ajuda, talvez com voz fraca, apatia, sem expressividade, de autoestima tão baixa que não conquistou ou convenceu ninguém de sua urgência. Ninguém, exceto Jesus. Ele conhece um clamor, ainda que silencioso ou silenciado pela multidão.

Betesda retrata: o  mundo, a igreja, as religiões e também a Salvação. Para alguns o tanque era místico, o poder estava nas águas e não no Senhor das águas. Para tantos outros,  Betesda serviu para devolver a saúde, mas o espírito continuou sedento, em sequidão. Betesda era um ritual, tal qual o praticado pelos hindus ao banharem-se no  rio Ganges. Betesda era o egoísmo dos homens que  só pensava em seu próprio bem estar e desconsideravam o outro. Mas, Jesus esteve em Betesda e realizou a cura fora da água, do lado de fora do tanque, porque Ele era a Água da vida, a fonte!

De Onde me virá o socorro? Sl 121:1

Nosso socorro e salvação não consistem em homens, nem em religiões, mas em Cristo Jesus. Ele vai de encontro aos corações humildes e quebrantados. Aquele solitário paralítico as margens do Betesda, quem sabe, se considerava o menor dos homens, mas tinha algo de grande nele: a fé. Ninguém pode acusá-lo de incredulidade.  Penso que em sua posição (deitado na maca) ele olhou para o céu e conversou com Deus. Vejo até lágrimas em seus olhos, de tão profundo lamento. Homens não viram, mas Jesus viu no que  foi atraído e o curou.


Mais Lições em Betesda


Caminhar para lá  e esperar o movimento das águas  é fazer parte do sobrenatural, dos sinais de Deus para os homens. Sem dúvida, o tanque era uma dádiva, um bálsamo, uma solicitude dos corações sofridos e marcados pela doença. Contudo, o amor e a misericórdia estavam distantes dali. Os olhares concorriam para as águas e desprezavam o Senhor das águas. Quantas pessoas tiveram um intimo encontro  com Jesus em Betes da? A Bíblia nos diz que um só homem.  

Os fariseus estavam lá, mas era sábado e sequer concordaram com a cura realizada por Jesus: “É  sábado, não te é lícito levar a cama” João 5: 10. De culto ao exterior viviam os fariseus, amar era um verbo por demais doloroso para eles, tão impressionados com rituais. Nem mesmo os milagres extraordinários vistos no tanque, transformavam aqueles endurecidos corações. Eles não deixavam Jesus entrar em seus corações trancafiados com mil ferrolhos.

E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior.  Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós.  Lucas 17: 20-21


O que de maior deve existir em nós é a sede por Deus, é a vontade de nos relacionarmos com Ele e obedecê-Lo. Isso não requer sacrifício, porque estes não agradam a Deus, mas implicam humildade. Conheço homens cheios de conhecimento, doutores em suas áreas acadêmicas, mas de uma pobreza espiritual sem limites, e o pior: impregnados pelo orgulho de seus status a tal ponto de não ajoelharem-se diante de Deus. Misericórdia, que pelo poder e amor de Jesus, sejam estes alcançados para conhecerem a verdadeira felicidade que não provém de coisas exteriores.

“Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” Tg 4:6.

Encontrar Jesus e ser resgatado para o Seu Reino em vida abundante e eterna, não é privilégio de uma minoria, de eleitos, nada disso. Ele veio para todos (Jo 3: 16) e todo o que Nele se firma, encontra a Vida, mesmo quando chega a morte: "Eu sou a ressurreição e a vida . Quem crê em mim, ainda que morra viverá." Jo 11:25. Que haja em nós essa humilde busca e entrega. 

Deus o abençoe. 


Fonte: Bíblia de Estudo Plenitude, revista e atualizada, SBB Evangelho de João, Capitulo 5, pg. 1076.

Nenhum comentário:

Postar um comentário